A força da Mulher Sicredi
Voltar ao início

A força da Mulher Sicredi

Escrito por: Prof. Dr. Marcelo Langer, Especialista em Desenvolvimento Sustentável

O ODS 5 trata da Igualdade de Gênero, e busca entender os fatores que determinam o reconhecimento do poder das mulheres na sociedade, assim como seus papéis e direitos.

A mulher sempre teve um papel fundamental na formação e na história da humanidade. Mas, este papel não foi reconhecido pela sociedade durante a maior parte do tempo. Além disso, as mulheres não receberam a segurança, a inclusão, a proteção, o respeito e a valoração necessária para o seu desenvolvimento individual e coletivo.

Esse modelo de sociedade vigente até hoje, manteve as mulheres excluídas das decisões e determinações do caminho a ser seguido. Com isso, desvalorizando a fala, a percepção, a capacidade e a competência delas para o desenvolvimento de mercados e fatores de sucesso econômico.

Foi somente no século XVIII, com o surgimento do movimento mundial do Sufrágio Feminino que as coisas começaram a mudar. Em 1893, a Nova Zelândia concedeu às mulheres o poder de ação social, política e de atuação na reforma econômica, sendo o primeiro país a realizar tal feito. De lá para cá, o papel da Mulher em todos os espaços sociais, políticos e econômicos vem ganhando compreensão e força. As Mulheres lutaram, criaram resistência, conquistaram espaços, abriram portas, romperam barreiras e mostraram seu VALOR em todas as áreas, setores e espaços de ação política, social, econômica e ambiental. Contudo, ainda há muito a se trabalhar.

As cooperativas do Sicredi, entendendo seu papel na sociedade, respeitam e incentivam o engajamento das mulheres em todas as suas áreas. Promovem a participação da Mulher em seus espaços de fala, direção, gestão e operação, motivando-as a assumir cargos de comando e liderança em ações, projetos e programas. 

Hoje já temos a igualdade de gênero entre homens e mulheres em cargos de gestão entre nossos colaboradores. Esse movimento não está limitado aos seus espaços internos, mas, também à governança, promovendo o engajamento participativo, representativo e empoderado das mulheres associadas do Sicredi, por meio dos Comitês Mulher.

Os Comitês Mulher do Sicredi têm o compromisso de promover a mulher associada, encorajá-la a assumir postos de decisão e participar ativamente das ações de transformações da sua realidade. Criar oportunidades equânimes e igualitárias a todas, por meio da construção de ambientes saudáveis para o desenvolvimento seguro, amplo, aberto, participativo e transparente. 

Os Comitês têm gerado grande VALOR FEMININO ao DNA das cooperativas Sicredi, pois permitem a participação ativa e geram espaços de falas a todas as mulheres. São ambientes onde as mulheres associadas podem se capacitar, receber treinamentos, formações profissionais, técnicas e gerenciais; além de treinamento para capacitações humanas, profissionais e de empreendedorismo. Através deles, elas reconhecem os vieses inconscientes e desenvolvem suas habilidades, capacidades e poderes de liderança.

Como resultado desse movimento, vemos com satisfação o crescente número de mulheres vindas dos comitês mulher sendo eleitas para cargos de gestão: são 22% de mulheres coordenadoras de núcleo e 16% de mulheres conselheiras.

Temos um grande desafio na busca da igualdade até 2030, mas nossas cooperativas estão comprometidas com o Pacto Global e seguem promovendo a participação eficaz e transformadora da Mulher, contribuindo diretamente com as metas do ODS 5.

 

Marcelo Langer, Dr. Prof. PECCA/UFPR

Coordenador do Programa BioCycleS e do Projeto Sociedades Sustentáveis

 

Diretor Start-up AMAR Sustentabilidade Ltda.